21 de março de 2013

Copiar ou se inspirar, eis a questão

Bom, o blog está desatualizado há algum tempo, mas prometo que tem tutorial novo vindo por aí, só precisarei de uma ajuda para fotografar, então estou contando com a boa vontade do meu marido para tal. XD

Hoje eu queria falar sobre um assunto que tem sido um pouco polêmico nos últimos dias no meio bonequeiro... na verdade, não é bem UM assunto, mas um conjunto de assuntos interligados, mas basicamente é aquela discussão sobre cópia e inspiração, mas tratado do ponto de vista de quem está dentro do hobby bonequeiro. Então vamos começar do começo.

Eu faço bonecas personalizadas e faço isso sozinha. Respondo emails, organizo a lista de envios, recebo a boneca, desmonto, faço a maquiagem, monto de novo, fotografo, edito as fotos, envio para aprovação, confiro pagamentos no banco, embalo a boneca, mando de volta pelo correio... e nesse meio tempo atualizo meu portfolio e dou atenção para comentários e dúvidas nas minha redes sociais.

O problema de fazer tudo sozinha é que tenho um limite de tempo. Por conta desse limite, nem sempre consigo fazer as bonecas de todas as pessoas que querem ter bonecas feitas por mim. Então, se uma pessoa quer uma boneca feita por mim e não quer esperar minha disponibilidade, o que ela faz? Manda para outra pessoa ou faz a personalização sozinha. Até aí nada contra. Se não posso oferecer o serviço de imediato, a pessoa tem todo o direito de adquirir aquilo em outro lugar. Capitalismo e livre concorrência.

Mas ao mesmo tempo isso entra em outro quesito: e se a pessoa realizando o serviço fizer uma boneca parecida com as minhas? Afinal, o cliente queria a minha boneca e não pode ter de imediato, então resolve apelar para uma segunda opção, que muitas vezes é uma cópia.

Há algum tempo isso me irritaria... nem sei quantas vezes isso aconteceu e me deixou chateada, mas hoje em dia eu aprendi a ignorar. Afinal, ninguém inventou a roda, ninguém patenteou uma determinada maquiagem/carved (e nem pode) e ninguém está infringindo nenhuma lei quando faz uma boneca parecida com a de outra pessoa.

Fora que personalizar uma boneca é um trabalho manual e é muito difícil deixar tudo 100% idêntico. Há bonecas que eu mesma fiz e nunca consegui fazer outra parecida. E mesmo a pessoa copiando, ela terá todo o trabalho de fazer aquilo com as mãos dela, utilizando materiais e técnicas específicos, é algo que não dá para simplesmente colocar numa máquina de clonagem.

Além disso, Blythes ou Pullips custom sempre seguem um padrão: uma dia vem alguém com uma boquinha em um estilo, aquilo começa a ficar popular e pouco depois tem um monte de gente fazendo parecido.

E a mesma coisa para quem faz roupinhas ou acessórios. Alguém cria uma peça que chama a atenção e logo vão aparecer várias versões daquele produto. Daí em alguns meses todos mundo vai ter algo parecido e logo alguém lança outra tendência.

Eu estou há quase 5 anos no hobby e posso garantir, não há NADA definitivo. Tudo muda de acordo com a necessidade do público de ter sempre algo bonito, novo e diferente. E isso culmina no ponto que quero chegar sobre essa discussão: que tipo de pessoa você quer ser? A pessoa que dita tendência ou a pessoa que a segue?

Touca de ovelha, tem pra todos os gostos!


Criar uma coisa que desperte desejo nas pessoas não é nada fácil. Exige pesquisa, tempo, tentativa e erro, fracasso antes do sucesso. Vai deixar você com noites mal dormidas, tentando pensar em um jeito de fazer aquela ideia sair do papel e funcionar a ponto de valer a pena ser produzida. Mas nada vai te recompensar tanto quanto ver sua criação tomando forma, sendo comprada e desejada pelas pessoas. E o que acontece com as criações desejadas? São copiadas. Você vai ser obrigado a ver um monte de gente vendo sua ideia e querendo fazer parecido, o que pode gerar muita frustração se você não souber lidar com isso.

Mas acostume-se: pessoas com ideias incríveis tem admiradores, seguidores e copiadores, sempre foi e sempre será assim. Saiba ser melhor que isso, ou você nunca mais terá incentivo para criar nada novo com medo de alguém te copiar. E isso inevitavelmente VAI acontecer se seu trabalho é bom.

A questão é, se você criou algo, o seu produto precisa ter aquele diferencial que faz com que as pessoas queiram o seu. Que seja um acabamento impecável, uma estampa exclusiva, um atendimento personalizado.

Ou seja, ser criativo é como todos dizem: 10% de inspiração e 90% de transpiração. Seguir uma tendência é um caminho um pouco mais fácil. Você vai se basear em uma coisa já pronta para poder fazer a sua versão. Claro que também é trabalhoso fazer uma coisa diferente das outras que seguem aquela mesma ideia.

Toucas de urso também são populares.

E é exatamente aqui que a coisa se separa. O momento em que você passa de alguém aproveitando uma ideia existente e fazendo sua versão dela ou alguém copiando a execução de outra pessoa.

Pode parecer que não, mas as duas coisas são completamente diferentes. Você pode fazer touca de bichinho (inclusive o mesmo bichinho) sem usar o mesmo molde, material e acabamento da outra pessoa.

Por mais que seja cômodo pegar o pronto e fazer igual, você tem que pensar em como isso vai afetar sua imagem no meio. Uma vez que você ficar conhecido como "aquele que copia", você pode até mudar de atitude depois, mas já vai ter ferido egos, arriscado amizades e inclusive perdido clientes em potencial.

"Ah, mas fulano faz uma coisa tão simples de copiar, vende bem e eu consigo fazer a mesma coisa, quero ganhar dinheiro também!"

Sim, mas fulano fez antes de você. Na verdade, nem sempre existe isso de "fiz primeiro", muitas vezes as pessoas tem as mesmas soluções de execução e nem sabem da existência uma da outra. Nem sempre é o caso, claro, tem gente que usa o outro de referência mesmo e desconversa quando questionado. Mas se você quer ser diferente e se destacar no meio dos produtos iguais, vai ter que achar seu próprio caminho para não virar só mais um.

Claro que existem coisas que são mais comuns, quase genéricas, que todos podem fazer e vender. Um lacinho de cabelo, por exemplo. Laço é laço, é feito sempre do mesmo jeito. Ou uma blusa de malha. O molde da blusa é aquele e pronto.

Agora, se a pessoa faz uma blusa com uma estampa feita com um desenho criado por ela, copiar isso não é bem visto, ne? Se você quer fazer blusas com estampas interessantes, crie as suas.

"Mas tem tanta imagem legal na internet, ninguém vai ligar se eu usar isso aqui nos meus produtos."

ERRADO! Nossa, nem sei dizer quão errado isso é. Se coloque no lugar da pessoa, por favor. Você cria e se esforça pra ser diferente e logo aparece um estranho e usa suas coisas pra lucrar. É óbvio que você vai ficar chateado ou revoltado.

Enfim, eu já escrevi um testamento sobre o assunto e poderia render isso por páginas, mas vou concluir por aqui, com a minha "moral da história".

Criar não é fácil e ser original exige esforço. E não existe real recompensa sem esforço. 

E quando digo recompensa, não estou falando de lucro. Você pode até lucrar copiando e vendendo. Mas quem compra uma cópia, é porque quer o original e não pode ter por algum motivo. Eu mesma nunca compraria nenhum similar se pudesse ter acesso aos originais, mesmo que sejam mais difíceis de conseguir.

E sinceramente, você quer ser sempre a segunda opção ou quer ser reconhecido pelo que você realmente criou? Além disso, pode ter certeza que a pessoa que faz um produto original está se dando bem melhor do que quem está acostumado a copiar.

2 comentários:

  1. Adorei o post Julia, compartilhei no meu facebook. ^^

    ResponderExcluir
  2. Oi Julia!
    Eu não entendo muito de bonecas, mas achei seu blog uma fofura.
    Beijo.

    Julia.
    http://www.frescurinha.com.br/

    ResponderExcluir